Trova


A trova é uma composição poética de quatro versos de sete sílabas poéticas, que tem geralmente Rimas Cruzadas (ou pelo menos uma rima entre o segundo e o quarto verso). Encontra-se, em trovas mais antigas, Rimas Interpoladas e Emparelhadas, apesar de serem pouco usadas atualmente. Começa-se a trovar sempre com letra maiúscula. A partir do segundo verso usa-se letra minúscula, a menos que a pontuação indique o início de nova frase. Além disto, a Trova dever ter um sentido completo e independente. O autor da Trova deve colocar nos quatro versos toda a sua idéia. Aí que a Trova se diferencia dos versos da Literatura de Cordel, onde em quadra ou sextilhas, o autor conta uma história que no final soma mais de cem versos. A Trova possui apenas quatro versos. Adelmar Tavares já dizia que “Nem sempre com quatro versos setissílabos, a gente consegue fazer a trova; faz quatro versos, somente”.

Nesta casa tão singela
onde mora um Trovador
é a mulher que manda nela
porém nos dois manda o amor.(Clério José Borges)

Ficou pronta a criação
sem um defeito sequer,
e atingiu a perfeição
quando Deus fez a mulher.(Eva Reis)

A trova é uma tradição iniciada por volta do século XI d.C. em Poença na França. É durante este período que as poesias passam a ser acompanhadas de músicas o que perdurou por muito tempo havendo inclusive remanescentes desta tradição em nossa famosa Literatura de Cordel muito conhecida no Nordeste brasileiro. Os repentistas realizam seus trabalhos por meio de trovas nem sempre com versos heptassílabos, mas geralmente é esta a medida presente em seus repentes. Embora a Literatura de Cordel e os repentes apresentem características de trovas, os trovadores hoje constituem um grupo específico de poetas.

Movimento cultural em torno da Trova, o Trovadorismo, ressurge a partir de 1950 no Brasil. A palavra foi criada pelo poeta e político falecido J. G. de Araújo Jorge. O escritor Eno Teodoro Wanke publica em 1978 o livro “O Trovismo”, onde conta a história do movimento de 1950 em diante. Ocorre uma renovação do movimento em 1980, com a criação por Clério José Borges do Clube dos Trovadores Capixabas. Foram realizados 15 Seminários Nacionais da Trova no Espírito Santo e o Presidente Clério Borges já foi convidado e proferiu palestras no Brasil e no Uruguai.

Fontes

www.terradapoesia.cjb.net

www.geocities.com/clerioborges

Anúncios

2 opiniões sobre “Trova

  1. Alô, João Felipe

    gostaria de ter lido suas trovas.
    Ver um jovem interessado nelas é muito bom.
    .
    Um abraço,
    .
    Lá no fundo do grotão
    gente humilde fez morada;
    a bela moça em botão
    de ninguém é namorada.
    .
    josé marins

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s