Poemas de Luis Garcia

Mais um companheiro português mostra sua obra no Ofício Literário. Desta vez, Luis Garcia mostra todo seu talento poético com um tempero lusitano.

Continuar lendo

Anúncios

Eu lírico

Iniciamos com um soneto de Manuel Bocage:

Soneto XXVI

Importuna Razão, não me persigas;
Cesse a ríspida voz que em vão murmura;
Se a lei de Amor, se a força da ternura
Nem domas, nem contrastas, nem mitigas:

Se acusas os mortais, e os não abrigas,
Se ( conhecendo o mal ) não dás a cura,
Deixa-me apreciar minha loucura,
Importuna Razão, não me persigas.

É teu fim, teu projecto encher de pejo
Esta alma, frágil vítima daquela
Que, injusta e vária, noutros laços vejo:

Queres que fuja de Marília bela,
Que a maldiga, a desdenhe; e o meu desejo
É carpir, delirar, morrer por ela.

Ao lermos este soneto, inicialmente podemos pensar que o poeta está apaixonado. Mas, isto não é necessariamente verdade. Bocage poderia ter escrito esta poesia durante uma manhã tediosa, na qual pensou que a contradição entre razão e amor daria um belo poema.

Continuar lendo

A Pausa na Poesia

A pausa é o silêncio entre versos ou elementos dos versos. Essencialmente, todo verso pode ser considerado como uma seqüência harmônica de sílabas e pausas. A pausa é parte das estruturas rítmicas e melódicas da composição poética, pois assinala o fim de um período rítmico, e permite o seu reinício no próximo verso.

Cada verso, considerado como um todo, é posicionado entre duas Pausas Delimitadoras ou Externas: a do verso anterior e a sua própria pausa. Excetua-se desta regra o primeiro (cujo limite é o completo silêncio anterior a ele e a pausa ao seu final) e o último verso do poema (cujos limites são a pausa do verso anterior e o silêncio completo que lhe segue). A duração da pausa varia conforme a extensão do verso, podendo até mesmo, dado o processo de encadeamento, deixar existir pausa entre versos. Continuar lendo

Trova

A trova é uma composição poética de quatro versos de sete sílabas poéticas, que tem geralmente Rimas Cruzadas (ou pelo menos uma rima entre o segundo e o quarto verso). Encontra-se, em trovas mais antigas, Rimas Interpoladas e Emparelhadas, apesar de serem pouco usadas atualmente. Começa-se a trovar sempre com letra maiúscula. A partir do segundo verso usa-se letra minúscula, a menos que a pontuação indique o início de nova frase. Além disto, a Trova dever ter um sentido completo e independente. O autor da Trova deve colocar nos quatro versos toda a sua idéia. Aí que a Trova se diferencia dos versos da Literatura de Cordel, onde em quadra ou sextilhas, o autor conta uma história que no final soma mais de cem versos. A Trova possui apenas quatro versos. Adelmar Tavares já dizia que “Nem sempre com quatro versos setissílabos, a gente consegue fazer a trova; faz quatro versos, somente”.
Continuar lendo